Alagamentos: confira três dicas para não correr riscos no período de chuvas

A deficiência na drenagem de nossas ruas e estradas provoca alagamentos que representam riscos para o automóvel e exigem cuidados especiais do motorista. Saiba o que fazer para não ter prejuízos, se envolver em acidentes ou ficar a pé durante o período de chuvas.

O primeiro cuidado: preste atenção na altura da água! Ela não pode ultrapassar a metade da roda. Se o nível estiver acima disso, há riscos de entrar no motor e provocar danos de elevado custo de reparo.

Falta de estrutura nas ruas e estradas do Brasil é responsável por causar alagamentos. Conheça os cuidados que o motorista deve ter para não tomar prejuízo ou se envolver em acidentes nos períodos de chuva.

A segunda dica é engrenar uma marcha forte (primeira ou segunda) e passar por todo o trecho acelerando fundo, sem tirar o pé do pedal do acelerador, para evitar que a água entre pelo cano de descarga e acabe indo parar dentro do motor. Nada de trocar a marcha e muito menos de tentar fazer o motor pegar caso ele tenha apagado no meio do trecho. Se entrou água no componente, é grande o risco de um calço hidráulico (a água impedir o movimento dos pistões e provocar uma grande avaria interna).

O automóvel atravessou sem problemas os alagamentos? Ainda é preciso ser cauteloso! Se algumas dezenas de metros depois tiver uma fila de carros esperando abrir um sinal ou congestionados por qualquer outro motivo, o motorista tem que se lembrar de que o sistema de freios está encharcado e que não adianta pisar no pedal, o carro não vai parar.

E a solução é simples: depois de passar pelo alagamento, basta manter uma marcha forte engrenada e acelerar e frear ao mesmo tempo, um pé em cada pedal. Exigindo assim do freio, o atrito entre seus componentes (pastilhas, discos, lonas e tambores) irá aquecer o sistema e o calor fará a água evaporar. Os componentes, secos, voltam a funcionar e garantem a eficiência dos freios.

Fonte: Autopapo