As startups que vão fazer você desistir de ter o seu carro

Cada vez pessoas mais consideram usar serviços, que normalmente funcionam a partir de um smartphone, ao invés de ter um carro próprio

O setor da mobilidade urbana está mudando rapidamente em várias frentes, com bicicletas e patinetes compartilhados, aplicativos de carona e que conectam motoristas e usuários. Os carros passam a maior parte do tempo parados na garagem e seguro e manutenção custam caro.

Cada vez pessoas mais consideram usar outros tipos de serviços, que normalmente funcionam a partir de um smartphone. As transformações, que confrontam o modelo tradicional de possuir um carro, ameaçam companhias gigantes e multinacionais, como montadoras e locadoras de veículos.

“A verdade é que a tendência de carros compartilhados está aqui para ficar e, combinada com outras tendências, como carros elétricos, autônomos e conectividade crescente, estão ajudando a transformar a indústria automotiva”, escreveu o Itaú BBA em relatório sobre o assunto.

O mercado brasileiro ainda é pequeno em comparação aos mais desenvolvidos. Há mais de 7 milhões de usuários de carros compartilhados pelo mundo, enquanto no Brasil apenas 87 mil usuários usam os serviços, apenas 1,2% do total, segundo relatório do banco.

Isso porque vandalismo e altos custos de estacionamento nas grandes cidades brasileiras, justamente onde o serviço teria maior demanda, elevam o custo da operação. Não é fácil para uma startup entrar nesse mercado. “O modelo ainda enfrenta desafios em termos de custos, que podem afetar a viabilidade do projeto”, escreve o Itaú BBA.

Apesar das dificuldades, nos últimos anos surgiram algumas startups dispostas a arriscar e inovar no mercado. O relatório do Itaú citou as mais proeminentes.

A Zazcar, criada em 2009, foi a pioneira no país a lançar um aplicativo de compartilhamento de veículos. Ela opera em São Paulo apenas com viagens circulares, ou seja, o usuário precisa deixar o carro em um ponto específico – no caso, estacionamentos.

Com viagens que podem ser de 1 hora a 48 horas, a frota é formada principalmente de modelos Ford Ka. No início deste ano, a startup recebeu um investimento de 7,5 milhões de reais da firma de venture capital Inseed Investimentos. Na época, operava com 130 carros e planejava alcançar 400 até o fim do ano. O valor também seria usado para aumentar a equipe e em marketing.

A Urbano LD, criada em 2017, chegou com uma novidade. Ela atua com veículos elétricos da BWM e da Smart. São 65 carros espalhados por pequenos bolsões na cidade de São Paulo.

Também criada em São Paulo, em 2017, A Turbi opera atualmente 60 carros. O plano é chegar a 150 nos próximos meses. Recebeu um investimento de 4 milhões de reais, que deve ser usado a partir de 2019.

A única da lista elaborada pelo Itaú BBA que não atua em São Paulo é a Vamo. Ela é de Fortaleza e foi criada em parceria da prefeitura com a Sertell, empresa de soluções tecnológicas para mobilidade, e a Hapvida, maior operadora de planos de saúde do Norte e Nordeste. Atualmente, tem 20 carros elétricos e 12 estações de recarga na cidade.

Ameaçadas

A tendência deixou as montadoras em alerta. Com as ameaças ao seu modelo de negócios tradicional, muitas decidiram criar subsidiárias ou incorporar startups de compartilhamento. É o caso da DriveNow, subsidiária da BMW, que tem 6 mil carros BMW e Mini espalhados em 12 cidades na Europa e um milhão de usuários.

Nessa categoria também está a Car2Go, fundada em 2008. É uma subsidiária da Daimler, fabricante de automóveis e dona da Mercedes-Benz, com mais de três milhões de usuários em 26 locais pelo mundo, na América do Norte, Ásia e Europa.

A General Motors criou a Maven, empresa de compartilhamento presente em 18 cidades nos Estados Unidos e Canadá. Em comparação a seus concorrentes ainda é pequena, com 100 mil usuários no ano passado. Além de oferecer carros para serem compartilhados, a plataforma também permite que um usuário alugue seu carro para motoristas do Lyft e Uber.

A nova tendência não atinge apenas as montadoras. Locadoras tradicionais também precisam rever o seu negócio.

A locadora Avis adquiriu a Zipcar em 2013, por 500 milhões de dólares. O investimento tem retorno e no ano passado a companhia foi responsável por 9% do faturamento do grupo. A Zipcar cobra uma mensalidade de seus usuários, que recebem um cartão para desbloquear os carros. Tem um milhão de usuários, 12 mil veículos em 500 cidades e 6000 campus universitários.

A Europcar quer se tornar “uma alternativa atraente para a posse de carro”, de acordo com o relatório do Itaú. Para isso, se tornou acionista majoritária na Ubeeqo, serviço de carro compartilhado encontrado em algumas cidades da Europa. Também investiu em outras startups de compartilhamento, como a GoCar e E-Car.

Fonte: Exame