Seu carro demora para pegar de manhã?

Com evolução dos motores flex, frio não é mais 'desculpa' para carro não pegar no inverno (Foto: Suellen Fernandes/ G1)

Com evolução dos motores flex, frio não é mais ‘desculpa’ para carro não pegar no inverno (Foto: Suellen Fernandes/ G1)

Vamos ver quais são os casos mais comuns que podem irritar você logo cedo.

Combustível adulterado

Teste para comprovar quantidade de etanol na gasolina é obrigatória nos postos (Foto: Reprodução/ TV TEM)

Teste para comprovar quantidade de etanol na gasolina é obrigatória nos postos (Foto: Reprodução/ TV TEM)

É o mais frequente. Após uma noite em repouso, a mistura criminosa que venderam acaba por se dividir em fases dentro do tanque e envia para o motor a parte ruim do combustível, e ele não pega. Pode ser água, solventes ou outras substâncias que seu motor não vai conseguir queimar quando estiver frio. Fique ligado se o problema apareceu depois do último abastecimento.

Bomba de combustível

Ela pode estar abrindo o bico. Acontece muito: a bomba está com baixa pressão e não injeta o volume necessário de combustível dentro do motor. Isso pode acontecer pela idade do carro ou quando você abastece continuamente com combustíveis adulterados.

Seu mecânico pode confirmar isso facilmente, instalando um manômetro (medidor de pressão) na linha de combustível (encanamento). Se for o caso, troque logo, pois este é um prenuncio de que a bomba pode parar de funcionar a qualquer momento e você ficará parado na rua.

Válvula de retenção de combustível

Essa peça é responsável por manter o combustível dentro do encanamento quando você desliga o carro. No dia seguinte, o combustível está na linha pronto para entrar no motor.

Quando ela falha, o combustível que estava no encanamento (linha) retorna para o tanque, fazendo com que você tenha que dar 5 partidas para ela sair lá de trás (do tanque) e chegar até o motor, que fica na frente do carro.

Geralmente, a válvula faz parte do conjunto da bomba, então tem que trocar tudo.

Velas e cabos de velas

Oficina do G1 - Velas e cabos (Foto: Denis Marum/G1)

Oficina do G1 – Velas e cabos (Foto: Denis Marum/G1)

Eles devem ser trocados a cada 25.000 km.

Vela ruim produz uma faísca de baixa voltagem: apesar dela estar presente, é muito fraca, incapaz de queimar a mistura ar-combustível. É como aquele velho acendedor de fogão: você vê e ouve a faísca, mas o fogo do forno não acende.

Fonte: G1